Morar em Recife: quanto custa?

O concurso da Prefeitura do Recife está em andamento, e tenho recebido várias mensagens de alunos perguntando como é morar em Recife. Antes de mais nada, lembro que, se quiser falar comigo, você pode me encontrar no instagram e também no youtube!

Neste artigo trarei algumas informações interessantes para quem considera a possibilidade de morar em Recife. Lembro também que publiquei há alguns dias um artigo sobre os cargos oferecidos no concurso da Prefeitura do Recife.

Talvez você não saiba, mas vivi em Recife toda a minha infância e adolescência, até que em 2010 fui para Brasília trabalhar no glorioso Banco Central do Brasil. Depois de quase 8 anos morando no cerrado, retornei à Veneza brasileira no início de 2018, e por isso posso falar com propriedade sobre esse processo de mudança e instalação em Recife.

Agora explicarei a você quanto custa morar em Recife, quais são as regiões preferidas pelos servidores públicos, e como é o dia a dia na nossa caótica e querida cidade.

COMO É A CIDADE?

Recife é uma cidade muito grande. A região metropolitana (que abrange mais de uma dezena de municípios) tem cerca de 4 milhões de habitantes. Como em toda cidade grande, morar em Recife envolve desafios urbanos: o trânsito é bastante problemático e a cidade é bem desorganizada.

Para quem está pensando em morar em Recife, um ponto interessante a lembrar é o calor. Como você já deve imaginar, as temperaturas no Recife são um desafio em determinadas épocas do ano. Em dezembro e janeiro as máximas chegam a 35 graus! As chuvas no litoral nordestino se concentram no inverno (maio a agosto), enquanto no versão chove menos. Apesar disso, a umidade é sempre muito alta, e você vai suar bastante andando na rua…!

Geralmente as pessoas dividem a cidade em zona norte e zona sul. A zona norte é composta pelos bairros que se aproximam mais de Olinda, e a zona sul dos bairros que se aproximam mais de Jaboatão dos Guararapes. Tanto em uma região quanto na outra existem bairros considerados nobres, com bons lugares para se morar.

 

Marco Zero do Recife Antigo

Com relação à localização da Prefeitura, o principal edifício fica localizado na região central do Recife, na ilha conhecida como Recife Antigo. Sim, o Recife Antigo é uma ilha mesmo, ligada ao continente por 4 pontes diferentes. Várias instituições públicas funcionam nessa região, incluindo os prédios principais da Polícia Federal, TRF, TRT, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, entre outros.

O Recife Antigo não é uma região residencial, e por isso não há muitas opções de locais para residir dos quais você possa ir trabalhar a pé. Por outro lado, a região é muito central, e por isso o acesso é bom tanto para quem vem da zona norte quanto para quem vem da zona sul.

QUANTO CUSTA MORAR EM RECIFE?

Na zona norte alguns dos bairros preferidos por quem vem de fora são Espinheiro, Graças, Rosarinho, Tamarineira, Parnamirim, Casa Forte, entre outros. Na minha modesta opinião, todos eles são excelentes lugares para morar. Você encontrará tanto casas quanto apartamentos, dos mais variados tamanhos. Numa pesquisa rápida consegui encontrar apartamentos novos para alugar na seguinte faixa de preço:

  • 3 quartos, 82m2 (Espinheiro): R$1.950,00
  • 3 quartos, 136m2 (Casa Forte): R$ 3.700,00
  • 1 quarto, 30m2 (Graças): R$1.600,00

 

Bairro de Boa Viagem

A zona sul costuma ser a menina dos olhos de quem vem de outras cidades, especialmente pelo bairro de Boa Viagem, onde fica a praia urbana mais movimentada da cidade, e onde você pode encontrar uma orla organizada, com vários restaurantes, ciclovia, locais para exercícios, etc. Boa Viagem é um bairro enorme, mas não é o único da zona sul. Temos ainda Pina, Piedade, Setúbal, entre outros.

Morar em Recife e perto da praia também cobra seu preço, não é mesmo? Veja alguns exemplos de preços de aluguel que consegui encontrar:

  • 1 quarto, flat de 42m2 (à beira mar): R$ 2.500,00
  • 3 quartos, 170m2 (a um quarteirão da praia): R$3.250,00
  • 2 quartos, 55m2 (a 100 metros da praia): R$2.000,00

Se você mora numa cidade grande, deve ter percebido que os preços não são nada de outro mundo, não é mesmo!? Além do preço da moradia, outras despesas por aqui também são mais suaves do que em outras cidades do mesmo porte. Um rodízio numa churrascaria custa cerca de R$40, enquanto um bom rodízio de comida japonesa custa na faixa de R$45.

CONSIGO VIVER BEM COM A REMUNERAÇÃO OFERECIDA NO CONCURSO DA PREFEITURA?

Na minha modesta opinião, é possível morar em Recife com a remuneração oferecida no concurso da Prefeitura com uma certa tranquilidade. Nossa querida cidade tem problemas, mas você terá acesso a uma vida confortável.

Além disso, Recife oferece ótimas opções em termos de cultura (bons museus, mostras de cinema, exposições, teatro, música), gastronomia e belezas naturais. A badalada Porto de Galinhas está aqui do lado (basta dirigir uma hora!), Maceió, João Pessoa e Natal estão a poucas horas de carro, com suas belíssimas atrações também.

Se quiserem posso escrever um artigo falando sobre as praias pernambucanas…! rs!

 

Texto copiado na integra do site: Diário de Pernambuco

https://www.estrategiaconcursos.com.br/blog/como-e-morar-em-recife/

Procurando pelos melhores bairros para morar em Recife? Confira a lista que preparamos para você!

Chega um momento na vida em que precisamos tomar decisões importantes, como adquirir um imóvel para constituir a nossa família. No entanto, mudanças como essa trazem algumas incertezas, como a escolha do local ideal para residir. Porém, certamente depois que você conhecer os melhores bairros para morar em Recife, ficará mais fácil tomar essa decisão!

Neste artigo, apresentaremos o que essa encantadora cidade litorânea tem a oferecer. Vamos lá!

Descobrindo os melhores bairros para morar em Recife

A partir de agora, apresentaremos os bairros mais cobiçados da região e aumentaremos a sua vontade de mudar para essa encantadora cidade. São eles:

  • Boa Viagem
  • Jaqueira
  • Casa Forte
  • Varzea

Agora vamos ver cada um deles com mais detalhes.

Boa viagem

Começaremos pela localidade mais famosa de Recife: o bairro Boa Viagem. Essa popularidade vem principalmente de sua localização privilegiada, pois ele é banhado pelo oceano atlântico.

Por isso, esse bairro é dono da praia de Boa Viagem — considerada uma das praias urbanas mais bonitas do Brasil. Entretanto, os atrativos vão além das praias. A localidade tem uma boa infraestrutura de serviços, como:

  • hospitais;
  • escolas;
  • supermercados;
  • farmácias;
  • padarias;
  • shopping;
  • bancos;
  • a Avenida Conselheiro Aguiar (importante centro comercial).

Para os amantes da prática de exercícios, a avenida beira-mar possui pista de cooper, ciclovia e quadras de esporte. Ademais, a vida noturna é estimulada pelo grande número de bares, restaurantes, botecos e boates para todos os gostos e bolsos.

Por outro lado, o bairro respira cultura. Nele, estão endereçados teatros, galerias de artes e cinema. Mas o que dizer da rede de transportes? Além do aeroporto, a localidade possui o metrô e inúmeras linhas de ônibus.

Para os que utilizam o carro particular, há boas vias que facilitam o fluxo do trânsito. Os que procuram uma moradia, contam com muitas e boas opções de prédios e casas de alto padrão no bairro.

De acordo com o site Agente Imóvel, o preço do metro quadrado em Boa Viagem está, em média, R$6.791.

Jaqueira

Esse bairro é considerado um dos mais charmosos de Recife. Ele é o endereço de muitas construções de luxo que o tornam um dos locais mais caros para se morar no Brasil. Essa informação foi divulgada pela revista Época Negócios.

Quando andamos pelas suas ruas arborizadas percebemos o nível da qualidade de vida dos seus moradores. Além disso, um passeio pelo parque que leva o nome do bairro renova as energias, pois proporciona um contato direto com a natureza e muitas atividades para toda a família.

Acrescente a isso a localização estratégica do bairro que fica próximo de boas escolas, cursos, supermercados e muitas outras comodidades. Por isso, que o preço do metro quadrado chega a R$7.685.

Casa Forte

O Casa Forte é conhecido como um dos locais mais arborizados de Recife. Além disso, é um bairro muito tradicional e histórico, pois há registro de acontecimentos nessa região que remontam a época colonial.

Apesar de o bairro Casa Forte ainda abrigar seu fundo histórico, ele revela também a sua modernidade. É considerado um local de alto padrão com uma renda per capita elevada. Por isso, muitos imóveis caros são encontrados nas ruas da região e o valor do metro quadrado dessas moradias custa em média R$6.245.

Mesmo sendo próxima de uma capital, essa localidade é considerada tranquila. Possui até mesmo uma praça projetada por Burle Marx que adorna o bairro e oferece um passeio relaxante para a família e algumas opções de bares, restaurantes e lanchonetes.

Para os amantes dos parques urbanos há o Santana que é margeado pelo rio Capibaribe. Ele foi projetado para a realização de atividades ao ar livre, como a prática de exercícios físicos. Por isso, tornou-se um lugar muito frequentado pelos moradores.

Várzea

Esse bairro respira educação, pois é onde está o campus da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), bem como o Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) e é próximo da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

Outro destaque é a presença da natureza nas vias públicas e o rio Capibaribe que corta o bairro. Ademais, poucos conhecem, mas o bairro abriga uma cachoeira e uma trilha entre a mata.

Além disso, é notado um forte apelo cultural confirmado pela presença do Instituto Ricardo Brennand (museu de artes) a e Escola Municipal de Artes João Pernambuco. Esse clima cultural é demonstrado na praça da Várzea na qual ocorrem vários eventos artísticos.

Por outro lado, o comércio é pouco expressivo na região. Entretanto, o transporte público não deixa a desejar, pois há grandes terminais integrados de passageiros da região metropolitana do Recife.

Essa é um benefício para quem precisa trabalhar no centro da capital. Todas essas vantagens fazem o preço do metro quadrado no Várzea custar em média R$4.717.

Conhecendo um pouco da cidade de Recife

Não é à toa que a capital pernambucana tem esse nome. Afinal, as suas praias são cheias de lindos arrecifes de corais. Essas belas formações marítimas permitem a constituição de piscinas naturais.

Toda essa exuberância foi percebida lá no século XVI, quando os portugueses chegaram nessas terras. Eles se depararam com um lindo litoral de águas esverdeadas, mornas e margeadas por um belo coqueiral.

Atualmente, as praias de Boa Viagem e do Pina são as mais famosas e têm uma boa infraestrutura de serviços. Por causa das belezas litorâneas e do centro histórico, muitos turistas visitam a cidade anualmente.

De acordo com o jornal “A Folha de Pernambuco“, 7,77 milhões de pessoas desembarcaram no aeroporto de Recife durante o ano de 2017. Um número impressionante, não concorda?

Adentrando na cidade, observamos uma metrópole vibrante, como é comum na região nordestina, com bares, restaurantes, shoppings, casas de show etc. Além disso, devido a todos os benefícios que a cidade disponibiliza, o mercado imobiliário está bem atuante em Recife.

Notam-se muitos condomínios de alto padrão sendo construídos. Atraindo, assim, pessoas que querem qualidade de vida e proximidade com um grande centro urbano.

Como vimos, são muitos os atrativos nos melhores bairros para morar em Recife. Em poucos lugares no Brasil é possível unir as facilidades de uma região urbana com a qualidade de vida dos moradores.

Com a ajuda de aplicativos é possível encontrar imóveis de alto padrão em bairros maravilhosos. Sendo assim, uma nova e emocionante etapa iniciará em sua vida!

O que achou de conhecer os melhores bairros para morar em Recife? Podemos ajudá-lo ainda mais! Leia o artigo busca de imóveis: 7 informações para obter ótimo resultado, e adquira dicas valiosas!

Texto copiado na integra do site: https://blog.movingimoveis.com.br/procurando-pelos-melhores-bairros-para-morar-em-recife-confira-aqui/

Mercado Imobiliário

Intimidade financeira

A premissa de que “um bom relacionamento é tudo” também é válida para o financiamento bancário. Quanto mais íntima for sua relação com o banco que vai financiar o seu imóvel, mais descontos e vantagens você terá. Se uma pessoa com renda mensal de R$ 10 mil for financiar um apartamento de R$500 mil com a Caixa Econômica Federal, maior financiador imobiliário do mercado, e não quiser ter nenhum relacionamento com o banco além do crédito para o imóvel, a taxa de juros anual ficará em 8,85%. Mas se ela optar por ter um cheque especial, um cartão de crédito e por colocar a prestação do financiamento no débito em conta, a taxa de juros cairá para 8,29% ao ano. Na prática, a primeira parcela diminuirá de RS 2.995 para RS 2.866. Imagine esse desconto de mais de R$ 100 por 420 meses! Por isso, na hora de fechar um financiamento, fique logo íntimo do banco.

Além da intimidade, a idade do mutuário conta muito na hora de fechar um crédito para a casa própria. A simulação acima foi feita com base em um cliente com 35 anos. Nesse caso, a entrada paga no negócio seria de cerca de RS 197 mil. Se o mutuário tivesse 45 anos, esse valor subiria para RS 201 mil. Se tivesse 55, a entrada custaria R$ 240 mil. Quanto mais jovem for o mutuário, menos dinheiro ele precisa ter para bancar a entrada.

Seguros
Outro detalhe importante no financiamento imobiliário é o preço dos seguros cobrados. Toda operação do tipo leva em conta dois seguros – Dano Físico do Imóvel e Morte e Invalidez Permanente. Eles estão embutidos no valor da parcela. Às vezes o banco divulga uma taxa de juros menor, mas lucra com o valor dos seguros. Por isso, leve sempre em consideração o custo efetivo total do financiamento, que junta a taxa de juros, o valor dos seguros, despesas como a análise jurídica e a taxa de administração no mesmo pacote.

IVV
Dados da pesquisa do Índice de Velocidade de Vendas 2012 do mercado imobiliário mostram que Boa Viagem perdeu o posto de bairro com maior número de vendas de unidades na Região Metropolitana do Recife. O primeiro lugar, com 1.322 comercializadas, com Muribara (São Lourenço da Mata), bairro que faz parte da Cidade da Copa.
Por que imóvel é considerado um bom investimento?
Ainda é o melhor investimento, sobretudo em Pernambuco. O Estado está passando por um ótimo momento, com o aumento da renda da população. O PIB local tem crescido acima da média brasileira. O retorno do investimento é garantido.
Como os preços vão se comportar nos próximos anos?
Eles devem crescer com base na inflação. Os aumentos que aconteceram nos últimos anos, quando foi corrigida a defasagem nos preços, não vão ocorrer mais. Em contrapartida, os valores não vão cair, porque o preço da matéria-prima da construção civil aumenta constantemente.
Nos últimos anos, a demora na liberação das novas construções pela Prefeitura do atrasou o lançamento de vários imóveis. Como está esse processo?
A Prefeitura está passando por um processo de reestruturação e deve acelerar a aprovação. Esperamos mais lançamentos para este ano em comparação com o ano passado.
Se você fosse comprar um imóvel para investir, quais seriam as características dele?
Eu compraria um imóvel que tivesse a maior liquidez possível. Para investimento, o ideal seria um imóvel entre 40 e 120 metros quadrados, na planta, e que fosse de uma construtora com um bom histórico de qualidade de acabamento. A localização também é muito importante. A compra deve ser feita em bairros com perspectivas de crescimento, que são procurados por quem quer alugar ou comprar um imóvel.

Mercado imobiliário recupera o fôlego

O mercado imobiliário brasileiro começou o ano de 2018 disposto a recuperar o tempo perdido e reforçar a tendência de alta demonstrada nos últimos meses de 2017. Dados da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), desenvolvidos e calculados pela Fipe, da Universidade de São Paulo, mostram que os números de unidades residenciais lançadas e vendidas nos últimos 12 meses (janeiro de 2017 a janeiro de 2018) registraram alta de 22,2% e 12%, respectivamente.

 

No total, foram lançados no mercado brasileiro 82.902 unidades entre janeiro de 2017 e janeiro de 2018. Na mesma base de comparação, as vendas somaram 105.297 imóveis novos. “De certa forma, é possível dizer que os primeiros resultados de 2018 apontam para uma continuidade da trajetória positiva de recuperação do mercado observada ao longo do ano passado”, diz Luiz Antônio França, presidente da Abrainc.

 

O relatório consolidado de 2017 da pesquisa dos indicadores imobiliários nacionais da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), apurado em 23 microrregiões do país, demonstra que o ano terminou em nítida recuperação na comparação com 2016. Houve crescimento em lançamentos residenciais verticais em 5,2% e em vendas de 9,4 % em relação ao ano anterior. O movimento, informa a Cbic, foi impactado pelo último trimestre do ano e pela melhora da economia, com a queda da taxa de juros, da inflação e pequena recuperação do PIB.

 

Levando em conta somente o mês de janeiro, os indicadores da Abrainc apontam o lançamento de 3.414 unidades, sendo 22,1% de médio e alto padrão e 76,8% do programa Minha casa, minha vida. Janeiro também apresentou bom resultado de vendas, com 8.412 unidades comercializadas, bem acima da média mensal do primeiro trimestre de 2017, que foi de 7.616 imóveis.

 

Os especialistas afirmam que os números poderiam ser melhores se o setor dispusesse de marcos regulatórios sobre temas como o distrato, a desistência da compra do imóvel. “Os distratos inviabilizam qualquer negócio no mercado”, diz França, lembrando que as empresas sofrem para pagar os compradores que decidem devolver o imóvel.

 

Com o agravamento da crise, nos últimos anos muitos compradores acabaram devolvendo imóveis adquiridos na planta, o que trouxe transtornos para construtoras e incorporadoras. Segundo França, muitas empresas, sem ter como devolver a entrada dada pelos compradores, tiveram que fechar as portas. Somente nos últimos 12 meses, de acordo com os dados da Abrainc, foram contabilizados 34,1 mil distratos, o equivalente a 30,7% das vendas de imóveis novos no mesmo período.

 

No segmento de imóveis de médio e alto padrão, o percentual foi bem maior – impressionantes 42,3%. Nos imóveis do programa Minha casa, minha vida, as devoluções chegaram a 16,8% das unidades vendidas. Desde o ano passado, o governo tem tentado, junto com construtoras, incorporadoras e representantes de consumidores chegar a um acordo para uma proposta “intermediária” que atenda a todas as partes.

 

Outro dado que confirma o bom momento do mercado é o volume de financiamento imobiliário com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), que somaram R$ 3,84 bilhões em janeiro. Comparado ao mês anterior, a alta foi de 4,4%. Na comparação com janeiro de 2017, o avanço chegou a 23,7%. No acumulado de 12 meses encerrados em janeiro de 2018, porém, o montante financiado, de R$ 43,89 bilhões, ficou 5,5% inferior ao apurado nos 12 meses anteriores.

 

Com orçamento de R$ 82,1 bilhões para investimentos habitacionais em 2018, a Caixa, principal agente financeiro de imóveis no país, tem como meta atingir cerca de 650 mil novas unidades habitacionais nos próximos anos, especialmente no Minha casa, minha Vida. Do total de recursos, R$ 58,8 bilhões virão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e outros R$ 12,7 bilhões do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

 

A Caixa também anunciou, depois da redução da Selic, uma diminuição nos juros dos financiamentos de imóveis, o que deve dar mais uma ajuda na recuperação das vendas no mercado imobiliário. “Baixar juros é sinônimo de melhorar o poder aquisitivo das pessoas. Quando os bancos diminuem os juros, eles reduzem também as prestações do imóvel a serem pagas, tornando o financiamento mais acessível”, disse José Carlos Martins, presidente da Cbic.

 

Negócios em alta

 

Compare os indicadores de janeiro de 2017 com janeiro de 2018

 

Lançamentos de imóveis residenciais

 

» 18.552 unidades de médio e alto padrão  – Alta de 30,1%

 

» 64.350 unidades do programa Minha Casa Minha  – Alta de 20,1%

 

» 82.902 unidades lançadas no total – Alta de 22,2%

 

Texto copiado na integra do site: Diário de Pernambuco

http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/economia/2018/04/04/internas_economia,747482/mercado-imobiliario-recupera-o-folego.shtml